Início » Debug Mode #26: Saudades da Rare – Podcast
Debug Mode Destaque Podcasts

Debug Mode #26: Saudades da Rare – Podcast

Novo episódio do Debug Mode, o Podcast da GameFM!

Nesse episódio lembramos da maravilhosa Rare, que nos trouxe pérolas como Battletoads, Donkey Kong Country, GoldenEye 007 e Banjo-Kazooie. Qual foi o seu ponto alto? O que aconteceu após a venda da Microsoft? Será que um dia teremos a boa e velha Rare de volta? Confira!

Não deixe de dar sua opinião e participar nos comentários abaixo! Toda terça-feira sai um novo podcast!

E inscreva-se no canal da GameFM no YouTube para receber todas as novidades assim que elas estiverem disponíveis!

Agora temos um feed apenas para o Podcast! É só se inscrever que você receberá os novos episódios assim que eles estiverem disponíveis. http://www.gamefm.com.br/feed/debug-mode-podcast/

Estamos também no iTunes! Só procurar por Debug Mode pelo aplicativo de Podcasts que você poderá ouvir e baixar os episódios assim que eles saírem.

Para ouvir o Podcast clique no “vídeo” abaixou ou no player abaixo do YouTube. Você também pode baixar o MP3 do Podcast clicando em download.

Sobre o Autor

Foto de perfil de Alan Motta Cardoso

Alan Motta Cardoso

Tem Mestrado em Biologia Marinha mas atualmente trabalha com games. Pode isso, Arnaldo?

Comentários

Loading Facebook Comments ...

5 Comentários

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Gondeneye e Perfect Dark foram magnificos, viciei nos dois durante meses…. mas o saudosismo maior fica mesmo pra Banjo/Conker/Donkey 64… pq enquanto os FPS evoluiram a partir daí, os 3d plataformas morreram… =/ essa geração não teve nada de relevante nisso (mario galaxy blehh)

  • parabéns pessoal da Game FM, sou fan novo do pod cast.
    é uma pena o fim da rare… sou muito fan da serie Batletoads inclusive curto pakas "B Vs DD" tentarão fazer um reeboot para GBA que graças a deus não foi pra frente pois tava ficando uma bosta.
    Queria muito ouvir vcs falando da lendaria SNK.
    Gostaria de falar também sobre o Kindon Hearts, caraleo q jogo mais chato… poderia se usar o controle do nes para jogar aquilo" muito facil! e boa parte das pessoas que eu conheço e que curte esse game tem tendencias fortes ao homo sexualismo… hahahah T+ Galera

  • Olá, estou devolta depois de muito tempo sem dar as caras por aqui (a faculdade voltou ae as coisas apertaram, sabe como é né…) mas não deixei de ver e ouví-los, apenas estive sem tempo para comentar, e pelo visto perdi minha soberania de maior comentário… mas é só vcs fazerem um podcast sobre fighting games que eu reassumo a liderança xD. Infelizmente não cheguei a conhecer os jogos da Rare no NES, minha vida com video-games começou com o SNES, mas zerei todos os DK Countrys e acho incrivel vcs dizerem que o 1 é o mais fácil, achei ele o mais difícil por muito, até hoje tenho lembranças cruéis da parte da fase da neve com macacos jogando barris de TNT em uma ladeira com buracos.

    No 64 tive contatos com todos os seus jogos praticamente, com foco maior em Conker (eu também torço todos os dias por uma nova versão para XBOX360) e Didy Kong Racing. Passei dias da minha vida reunido na casa de amigos jogando durante horas, rindo com as babaquices, os 300 modos multiplayer, Conker é incrível, realmente uma pena ele ter ficado no 64 só (sabia que havia uma versão de XBOX até hoje, ams se ninguém fala é porque provavelmente não e boa). Didy Kong Racing eu jogava na segunda série todo dia na casa de um vizinho antes de ir para a escola, acho que joguei mais dele até do que mario kart, e acredito que foi o que mais inovou em jogos de corrida no estilo, aviões, botes, nunca tinha visto algo do gênero e isso só voltou agora no Sonic All-Stars Racing Transformed.

    Com relação a venda da Rare para a Microsoft acho que foi uma das maiores decepções que já tive em jogos. Todas aquelas super franquias perdidas e esquecidas nos porões da empresa, sem dúvida se tivessem sido bem aproveitadas teriam trazido grandes lucros a Microsoft, seriam exclusivos de peso que para mim seriam capazes de se igualar aos da Nintendo. Saber que franquias tão legias e tão marcantes como as dela poderão (e muito possivelmente é o que acontecerá) jamais ser vistas nas novas gerações, é muito triste, mesmo que não sejam as franquias antigas, a Rare sempre trouxe inovação em seus jogos como vcs mesmos disseram, acredito que ela seria uma chave para desfazer essa estagnação criativa que presenciamos hoje.

    Bem, é isso. Voltei depois de muito tempo e com um comentário grandinho, mas realmente, como foi falado por outros, o site está crescendo e isso é muito legal, gosto muito dos vídeos e do trabalho de vcs e acho maneiro ver ele criando visibilidade. Ótimo podcast como de costume, parabéns.

  • ah… nesse eu não poderia deixar d comentar… rareware… a maior empresa desenvolvedora d games da história… apesar d ser bem nostálgico em relação à rare, concordo com o Luiz q as maiores franquias estejam mortas e enterradas… mas há uma opção também que foi citada, e essa é bem viável… contratar as empresas com os ex-funcionários da rare, só publicando os jogos… ou seja, é bem simples ressuscitar os grandes clássicos: a microsoft licencia, a empresa contratada desenvolve o jogo e a rare publica… FIM! o sonho d ainda ter um perfect dark reside nessa possibilidade…

Último Vídeo – GameFM – YouTube

Media Kit GameFM
Debug Mode - Podcast
GameFM Play
Mesa do Fliper






Pular para a barra de ferramentas