Connect with us

O que está procurando?

Notícias

Mais pesquisas relacionam videogames e a prevenção de doenças degenerativas cerebrais

Pesquisa realizada em Iowa conclui que videogames conseguem atrasar doenças degenerativas em até 7 anos, ou até prevení-las completamente.

 

Doenças degenerativas são um grande problema para quem está alcançando a terceira idade, e são inúmeras as pesquisas no mundo que visam a completa prevenção, ou pelo menos o atraso dessas doenças. Várias dessas pesquisas associam que videogames em geral são ótimos para melhorar a cognição dos mais velhos, prevenindo demência, e outras doenças desagradáveis. E temos mais uma pesquisa do nosso lado, dizendo que videogames são bons para a saúde.

O estudo foi realizado na Universidade de Iowa com cerca de 680 pessoas diferentes, todas na terceira idade, e concluiu que pessoas acima de 50 anos podem melhorar uma série de capacidades cognitivas, e impedir a degeneração cerebral em até 7 anos. “Sabemos que podemos parar esta decadência e verdadeiramente restaurar a velocidade do processamento cognitivo das pessoas”. Essas foram as palavras de Fredric Wolinsky, professor de saúde pública e principal autor do artigo, que já foi publicado.

“Então, se sabemos disso, não deveríamos estar ajudando as pessoas? É bem fácil e o pessoal de mais idade pode aprender a jogar”, afirmou.

Também acho. Claro que tudo na vida tem que ser dosado, e visto com moderação, mas isso serve para mostrar para todos que faz bem gastar umas horinhas na frente da TV apertando botões.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rádio GameFM

Twitch

Você também pode gostar

Destaque

Nova maluquice estreando no canal da GameFM! Se trata do GameFM Show! Um projeto que já estamos confabulando tem muito tempo, mas que finalmente...

Curiosidades

Pesquisa realizada pela Brown University (EUA) mostra que jogar videogame pode melhorar capacidade de aprendizagem e habilidade visual.

Destaque

Uma pesquisa realizada no Reino Unido indicou que tanto crianças quanto seus pais preferem tablets e smartphones para jogar do que consoles portáteis.

Destaque

Uma pesquisa foi feita relacionando os jogos de forma negativa dessa vez, com impactos negativos no desenvolvimento cerebral e habilidades sociais, além de viciar.

Advertisement