Notícias

O problema das loot boxes continua

A questão das loot boxes não vai mais embora. Não é só mais um problema de políticos; a mídia e a opinião pública de vários países estão questionando se as funcionalidades de recompensas de jogos como Overwatch e principalmente Star Wars Battlefront II não serão demasiado próximas de um jogo de cassino, e se estarão criando problemas de adição nos usuários. A polêmica veio bem forte no final de 2017 e está continuando, com a mídia internacional fazendo diversas referências ao tema nos últimos dias.

Semelhança com um jogo de cassino

Imagine que você acessa o NetBet e começa jogando em uma slot virtual, apostando sua primeira ficha. Não ganhou nada. Mas vai jogar novamente, pois sabe que o jogo é assim mesmo e sua adrenalina está subindo. Afinal, você é um adulto responsável e está só jogando, certo?

Agora compare essa situação com um adolescente jogando um videogame e que vê uma caixa de recompensas que lhe promete um super-prêmio, para ele continuar jogando com mais possibilidades, se fizer uma pequena despesa em dinheiro. Faz parte do videogame e ele vai gastar, certo?

Na verdade, é muito semelhante e está chamando a atenção da opinião pública internacional.

Primeiro, a Bélgica e o Havaí…

Em novembro de 2017, o Ministro da Justiça da Bélgica apelou a uma proibição das loot boxes em toda a União Europeia, depois de um relatório da Comissão do Jogo ter apontado que a funcionalidade é uma forma de jogo. Já no Havaí, a proposta de Chris Lee, membro da Casa dos Representantes dos Estados Unidos, propõe que as loot boxes sejam proibidas a menores de 21 anos.

…agora, o resto do mundo

A 23 de fevereiro, o site The Intercept apontava que a senadora Maggie Hassan (estado do New Hampshire, Partido Democrata) tinha pressionado diferentes autoridades para considerarem o dever de regular o funcionamento das loot boxes. No dia 27 de fevereiro, saiu a notícia (no site vg247) que a Riot mostrou as odds das loot boxes Hextech e Masterwork do League of Legends. Sem dúvida, trata-se de acompanhar a opinião pública, que vinha exigindo pelo menos mais transparência no processo, pois na maior parte dos casos as odds ou probabilidades de conseguir um prêmio nem são mostradas.

E no dia 28 de fevereiro, o jornal australiano ABC apontava que, nesse país da Oceania, é a própria indústria de gaming e os gamers a exigir mais regulação aos políticos.

Sobre o Autor

Alan Motta Cardoso

Tem Mestrado em Biologia Marinha mas atualmente trabalha com games. Pode isso, Arnaldo?

Comentários

Loading Facebook Comments ...

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Media Kit GameFM
Debug Mode - Podcast
GameFM Play
Mesa do Fliper