Connect with us

O que está procurando?

Debug Mode

Debug Mode #5: Imersão nos Games – Podcast

Nesse quinto episódio falamos sobre a imersão nos games. Como os jogadores conseguem entrar no mundo dos games e modifica-los, onde cada decisão tomada pode mudar o final de uma trama ou a vida e morte de um personagem. Além disso falamos do “outro lado” também, onde os jogos conseguem nos prender a um certo personagem ou a uma história muito interessante, mesmo que o jogador não tenha tanta influência assim sobre o game. Enfim, só ouvindo para entender tudo. XD

Novo episódio do Debug Mode, o Podcast da GameFM!

Nesse quinto episódio falamos sobre a imersão nos games. Como os jogadores conseguem entrar no mundo dos games e modifica-los, onde cada decisão tomada pode mudar o final de uma trama ou a vida e morte de um personagem. Além disso falamos do “outro lado” também, onde os jogos conseguem nos prender a um certo personagem ou a uma história muito interessante, mesmo que o jogador não tenha tanta influência assim sobre o game.

Falamos de Skyrim, Mass Effect, Minecraft e até Tibia! Enfim, só ouvindo para entender tudo. XD

Não deixe de dar sua opinião e participar nos comentários abaixo! Todo Domingo sai um episódio novo.

E inscreva-se no canal da GameFM no YouTube para receber todas as novidades assim que elas estiverem disponíveis!

Agora temos um feed apenas para o Podcast! É só se inscrever que você receberá os novos episódios assim que eles estiverem disponíveis. http://www.gamefm.com.br/feed/debug-mode-podcast/

Para ouvir o Podcast clique no “vídeo” abaixou ou no player abaixo do YouTube. Você também pode baixar o MP3 do Podcast clicando em download.

Advertisement. Scroll to continue reading.
5 Comments

5 Comments

  1. Vinicius Ferreira Vianna

    23 de outubro de 2012 at 02:39

    Dos ultimos jogos que terminei, sem duvida Journey e Fallout 3 me marcaram pela imersão… foram jogos que emocionaram mesmo e eu como amante de Jrpgs, tenho sentido falta dessa emoção nos JRPG's atuais,,.. Lembro de jogos que marcaram pela imersão – Final Fantasy 6, 7, xenogears, Zelda OoT, Resident evil 1 e 2, Metal Gear Solid, Gondeneye 007, Silent Hill, Shenmue…

    Não tenho experiencia nos MMO's pra saber comparar.

  2. Vinicius Ferreira Vianna

    23 de outubro de 2012 at 02:49

    Putz.. lembrei agora…. menção honrosa para Dead Space, Arkham Asylum e Arkhan City ^^.

  3. Filipe Monteiro

    23 de outubro de 2012 at 05:18

    Cara, Dragon Age [o Origins, o II nao existe PFVR] foi o RPG que eu mais tive imersão. DA:O é Mass Effect medieval sim, mas cara, ME1 e ME2 as suas escolhas realmente importavam. Em DA:O não são só seus status que mudam com relação as escolhas, história do personagem também muda. Claro, sem a mesma profundidade que Heavy Rain, mas Dragon Age:Origin/Mass Effect 1 e 2 são exemplos de jogos que a história me cativou. Eu realmente me senti dentro do "Gray Warden" do DA:O / "Shepard" do ME.
    Ok, Deixando de lado o fato de eu ser fanboy de Dragon Age, eu tentei fazer rpg dentro de Ragnarok[Aquele MMO horrivel, digo, super divertido]. Tinha até uma comunidade, forum, fichas de personagem e etc…
    É. Não deu certo.
    Também acho que o problema não tá no gráfico dos jogos e sim nas mulas, digo, jogadores que jogam os jogos.

  4. Filipe Monteiro

    23 de outubro de 2012 at 05:52

    BTW, eu exijo participação no podcast de Tibia. Por que ninguém tem histórias mais fodas que as minhas. XD

  5. Vinícius Binn Gonzalez

    21 de novembro de 2012 at 17:18

    Richard Garriott tem dupla cidadania. Nascido na Inglaterra e criado nos EUA.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rádio GameFM

Twitch

Você também pode gostar

Curiosidades

A trilha sonora completa de Forza Horizon 5 foi finalmente revelada oficialmente e nós da GameFM fizemos uma lista especial com todas elas para...

Destaque

Após a nossa apresentação, aqui estão os resultados do GameFM Awards 2020 (assim como dos sorteios)!

Destaque

Levou apenas uns bons anos. Entenda a polêmica.

Curiosidades

Segundo o neto, ele não dirigia há quase 10 anos.

Advertisement