Colunas Destaque Objection!

E o PlayStation? Vai bem, obrigado!?


            Pois é pessoal. Na última vez que postei aqui, falei da Nintendo e de toda a sua história. Meu objetivo era refletirmos que mesmo com o pessimismo sobre o  Wii U, podemos depositar alguma confiança na empresa, apesar de mesmo os fanboys estarem perdendo a paciência.

            Agora eu pretendo refletir um pouco do momento da Sony e do PlayStation. Não há dúvidas que a Sony é a mais popular empresa de games do momento. Essa vaga já foi da Nintendo. Antigamente Nintendo era sinônimo de videogame e a empresa abusou da soberba e acabou perdendo essa vaga, que hoje é do PlayStation.

            Tenho certeza que todos lembram do lançamento do PlayStation 3. Na época, todos ficaram chocados com o altíssimo preço do console e muitos apostaram que o console afundaria igual pedra. A Sony, se encheu da mesma soberba que a Nintendo tinha sofrido com o Nintendo 64, de achar que qualquer coisa com o nome PlayStation venderia muito independente do preço e da qualidade.

            O PlayStation começou mal. Só para refrescar a memória de muitos, na época do lançamento internacional, algumas lojas aqui no Brasil o estavam vendendo a módicos R$ 9.999,00. Obviamente que o lançamento foi um sucesso, afinal era um PlayStation, mas logo as vendas caíram e muitos problemas começaram.

            Por algum fator que ninguém compreendia até então, o Wii (muito mais barato, com um controle revolucionário, um apelo popular e Zelda) que tinha sido lançado junto com oPS3, chegou a vender a uma proporção de 7 para cada PS3 e o Xbox, apesar de nunca ter convencido no Japão, vendia bem em todos os outros mercados. Sem um exclusivo de peso e com ports mal feitos, o PS3 passava por enormes dificuldades e o horizonte não era nada bonito.

            Mas a fé (e a grana) movem montanhas. Apesar das dificuldades, a empresa mantinha sua confiança no console, se movia para conseguir exclusivos e colocou seus estúdios internos para trabalhar. O PS3 começou se recuperar mesmo quando vieram os exclusivos. Killzone, Little Big Planet, God of War e Uncharted começaram a recuperar o console de um incômodo terceiro lugar em vendas e a mostrar a força do console e porque o investimento valia.

            A PSN e sua política de gratuidade, contra a assinatura anual da Xbox Live também foi fator decisivo na escolha de compra de um console em comparação com o outro. Mesmo com a qualidade bem superior da Xbox Live. A PSN plus foi recebida com desconfiança por muitos, afinal o que a Sony poderia oferece aos pagantes que a Xbox não tinha? E veio a genial ideia : jogos gratuitos.

                   Veio, então o que seria a grande salvação da Sony, a redenção da Sony com o chatíssimo segundo lugar que o PSP amargou, o PS Vita. O Vita era o portátil do século. Poderosíssimo, o console era simplesmente insuperável frente a fraca concorrência : o Nintendo 3DS. O portátil foi lançado com exclusivos matadores, Uncharted, Wipeout, Katamari. Não tinha o que dar errado certo?

            Bom todo mundo sabe que o Vita ainda não decolou. O que aconteceu? O que deu errado? Foi o preço? Foi o aparelho em si? A concorrência com tablets, celulares e o próprio 3DS? O que pode salvar o Vita do fracasso?

            O PS3 se redimiu. Com o tempo, o console foi barateando, se tornando mais interessante e foi passando de promessa a realidade. Até hoje, porém, próximos de termos novos consoles a entrar no mercado, o PS3 ainda amarga o terceiro lugar. Mas por pouco, já que o Xbox estagnou e nem o Kinect, nem a Microsoft sabem o que fazer com ele. A Sony vai terminar essa geração em segundo, perdendo para um console que é apenas uma sombra do poder do PS3.

            Mas com certeza a Sony vai entrar na próxima geração arregaçando. O próximo console da empresa vai ser uma nova revolução e sua interação com o Vita vai ser ainda maior do que o PS3. Os dois serão irmãos muito próximos e quase inseparáveis. As experiencias de jogo estão ligadas de tal forma que nunca será a mesma coisa sem os dois, assim como o Wii U e seu controle tablet, só que ainda melhor.

            No fim, a Sony é uma empresa esperta, tem dinheiro e vontade de crescer. Quando entrou no mercado de games, a Sony veio para colocar tempero e a Microsoft, pimenta. A Nintendo é como aquele macarrão que todos gostamos mas já estamos meio enjoados. A próxima geração vai ser interessante? Sem dúvida. Já demorou? Eu ainda acho que não. Mas vamos ver o que vai acontecer e continuar a analisar.